Diretrizes para reconstrução da soberania nacional

O economista e professor da UFRJ, Eduardo Pinto, um dos integrantes do Geep, contextualiza a importância da Petrobrás para o povo brasileiro e que a empresa sempre esteve no centro do pêndulo histórico entre Estado e Mercado.                       

O Geep ressalta a importância da Petrobrás ter voltado a ser gerida nos anos 2000 com foco no Estado brasileiro. A empresa expandiu sua participação para vários segmentos,  bem como acelerou sua política de investimentos, com atuações preponderantes no fortalecimento da engenharia e da geologia que culminou com a descoberta do pré-sal, que é hoje o principal ativo da companhia.

Leia mais ...

Apresentação do GEEP

O Geep inicia nesse momento a apresentação  “ESTADO, PETROBRÁS E SETOR DE PETRÓLEO E GÁS NO BRASIL: diretrizes para reconstrução da soberania nacional”

Leia mais ...

A Petrobrás que nós queremos

A FUP inicia o debate com a Petrobrás sobre os rumos que os trabalhadores querem para a gestão da empresa. O Grupo de Estudos Estratégicos e Propostas para o Setor de Óleo e Gás (Geep), formado por professores e economistas que vêm assessorando a Federação, é apresentado à Petrobrás.

Leia mais ...

Subnotificação de acidentes: CAT sem afastamento

A Federação Única dos Petroleiros começou a reunião criticando a subnotificação de acidentes, prática que, infelizmente, tem sido a marca da gestão de SMS da Petrobrás há décadas.

O presidente do Sindipetro Caxias e diretor da FUP, Simão Zanardi, cobrou a falta de compromisso com o trabalhador acidentado. Na Refinaria de Duque de Caxias vem ocorrendo acidentes quase que diários, depois da implantação do número mínimo, e muitos sem CAT de afastamento, fazendo com que o trabalhador mesmo machucado tenha que comparecer ao setor de saúde da refinaria. Um completo descaso com a segurança.

Segundo Zanardi, o trabalhador contratado da empresa TS Engenharia que teve a mão perfurada, no dia 21/08, por uma mangueira de hidrojato com defeito, recebeu a CAT sem afastamento, porém como não está em condições de retornar ao trabalho, ele tem frequentado a refinaria apenas para cuidar do ferimento. Além disso, a médica contratada pela REDUC trata o trabalhador ora em sua clínica e ora na refinaria. Além desse caso, Simão apresentou outros acidentes que ocorreram na refinaria nos últimos destes onde os trabalhadores mesmo acidentados são obrigados a irem na Refinaria. E questionou se a REDUC é uma empresa de petróleo ou um ambulatório.

Leia mais sobre subnotificação de acidentes no portal do Sindipetro Caxias 

SUBNOTIFICAÇÃO DE ACIDENTES: a hipocrisia dos médicos e gerentes da REDUC

Gerente Geral da REDUC terá que se explicar porque não emite CAT

REDUC: 14 Acidentes em menos de dois meses 20 trabalhadores feridos

Leia mais ...

FUP volta a se reunir com a Petrobrás

Leia mais ...

FUP volta a se reunir com a Petrobrás nos dias 19 e 21

A FUP volta a se reunir com a Petrobrás e subsidiárias dias 19 e 21, para dar continuidade ao processo de negociação do Acordo Coletivo de Trabalho. Na reunião de hoje, dia 19, as direções sindicais junto com o Grupo de Estudos Estratégicos e Propostas para o Setor de Óleo e Gás (Geep) defenderão mudanças nos rumos da Petrobrás para que volte a ser uma empresa pública e integrada de energia, com foco no desenvolvimento nacional. 

Já no dia 21, o debate com os gestores será sobre as questões de saúde e segurança e a proposta apresentada para o ACT, que altera profundamente o Acordo e a relação de trabalho com a empresa. As assessorias jurídica e econômica da FUP estão analisando minunciosamente o seu conteúdo. 

Além de dizimar uma série de direitos conquistados pelos trabalhadores ao longo dos últimos anos, a direção da companhia quer reduzir mais de um terço do Acordo Coletivo de Trabalho, através de “adequações” propostas para as 182 cláusulas, que seriam enxugadas para 114.

A proposta da Petrobrás acaba com o auxílio almoço, com a Gratificação de Campo Terrestre, com o Adicional do Estado do Amazonas, com o Benefício Farmácia, com o Programa Jovem Universitário, com a promoção por antiguidade de Pleno para Sênior nos cargos de Nível Médio, além de reduzir as remunerações da hora extra, da dobradinha, da troca de turno e da gratificação de férias. Além disso, a empresa altera a vigência do Acordo Coletivo de dois para um ano.

Essa é, portanto, uma campanha que exigirá dos petroleiros participação ativa nas mobilizações e setoriais que estão sendo realizadas pelos sindicatos. Só a luta garantirá os direitos e conquistas da categoria. E o Acordo Coletivo terá o tamanho dessa luta.

Leia mais ...

Proposta da Petrobrás reduz direitos

A proposta de Acordo Coletivo apresentada pela Petrobrás nesta quinta-feira, 14, reduz uma série de direitos conquistados pela FUP e seus sindicatos ao longo dos últimos anos. A empresa propõe o fim do auxílio almoço, da Gratificação de Campo Terrestre, do Adicional do Estado do Amazonas, do Benefício Farmácia, do Programa Jovem Universitário, da promoção por antiguidade de Pleno para Senior nos cargos de Nível Médio, além da redução das remunerações da hora extra, da dobradinha, da troca de turno e da gratificação de férias.


Além disso, a Petrobrás altera a vigência do Acordo Coletivo de dois para um ano. A FUP e seus sindicatos estão reunidos para avaliar a negociação e definir os próximos passos da campanha. Durante a reunião com a empresa, a FUP propôs uma nova rodada de negociação para a próxima semana, o que foi aceito pelo RH.


A Petrobrás também propõe uma série de “adequações” para as atuais 182 cláusulas do Acordo Coletivo, que seriam reduzidas para 114. A avaliação da proposta da empresa e suas “adequações” de cláusulas serão feitas com muito critério nos próximos dias pela FUP e suas assessorias.


Principais pontos da proposta da Petrobrás:


• Reajuste salarial de 1,73% no salário básico e na RMNR
• 0% de reajuste para os Benefícios Educacionais
• Redução de 50% para as Horas Extras e dobradinhas (extra-turno)
• Redução do pagamento das horas da troca de turno. O pagamento será limitado a 15 minutos. Se o tempo for de até 10 minutos, não será mais remunerado.
• Fim do recebimento do auxílio almoço no contracheque. A empresa propõe a migração obrigatória para o Vale Refeição/Vale Alimentação
• O valor do Auxílio Almoço não será mais considerado no cálculo da Gratificação de Férias e do 13º
• Reajuste de 34% para a tabela de Grande Risco da AMS
• Fim da Gratificação de Campo Terrestre
• Fim do Adicional do Estado do Amazonas
• Fim do Benefício Farmácia, que será substituído por um programa de acesso limitado e com restrição de medicamentos
• Fim do Programa Jovem Universitário
• Implantação de uma nova modalidade de redução da jornada de trabalho do regime administrativo, de cinco para quatro dias semanais com redução de 20% da remuneração
• Redução da gratificação de férias, que passará a ser remunerada em 1/3. Os 2/3 restantes serão pagos em forma de abono
• Fim da promoção por antiguidade de Pleno para Sênior nos cargos de nível médio
• Alteração dos indicadores que compõem a metodologia do regramento para pagamento da PLR
• Fim da vigência de dois anos do Acordo Coletivo de Trabalho

Leia mais ...

Petrobrás apresenta proposta de ACT

Leia mais ...

Petrobrás apresenta proposta de ACT

Ao final da reunião, o gerente executivo de RH da Petrobrás apresentou à Federação a proposta da empresa para o Acordo Coletivo. A FUP e seus sindicatos irão analisar detalhadamente os pontos da proposta na parte da tarde de hoje e em seguida encaminhar para a categoria um informe com os próximos encaminhamentos.

A Diretoria de Gás e Energia acompanhou a proposta da Petrobrás.

Já a Transpetro afirmou que seguirá parte do que foi proposto pela holding e que apresentará uma minuta específica na próxima semana.

 

Leia mais ...